Um espaço bastante sugestivo e diversificado...
Acessos: contador de acessos grátis

Arquivo do blog

sábado, 18 de dezembro de 2010

NATAL SEM O PAPAI NOEL...



Estou preparando a minha árvore de Natal. Quero que ela seja viva, mas não quero que seja exterior. Eu a quero dentro de mim.
Tenho medo das exterioridades. Elas nos condenam. Ando pensando que o silêncio do interior é mais convincente que o argumento da palavra.

Quero que minha árvore seja feita de silêncios. Silêncios que façam intuir felicidade, contentamento, sorrisos sinceros.

Neste Natal não quero mandar cartões. Tenho medo de frases prontas. Elas representam obrigação sendo cumprida. Prefiro a gratuidade do gesto, o improviso do texto, o erro de grafia e o acerto do sentimento. A vida é mais bonita no improviso, no encontro inesperado, quando os olhares se cruzam e se encontram.

Quero que minha árvore seja feita de realidades. Neste Natal quero descansar de meus inúmeros planos. Quero a simplicidade que me faça voltar às minhas origens. Não quero muitas luzes. Quero apenas o direito de encontrar o caminho do presépio para que eu não perca o menino Jesus de vista. Tenho medo de que as árvores muito iluminadas me façam esquecer o dono da festa.

Não quero Papai Noel por perto. Aliás acho essa figura totalmente dispensável! Pode ficar no Pólo Norte desfrutando do seu inverno. Suas roupas vermelhas e suas barbas longas não combinam com o calor que enfrentamos nessa época do ano. Prefiro a presença dos pastores com seus presentes sinceros.

Papai Noel faz muito barulho quando chega. Ele acorda o menino Jesus, o faz chorar assustado. Os pastores não. Eles chegam silenciosos. São discretos e não incomodam...

Os presentes que trazem nos recordam a divindade do menino que nasceu. São presentes que nos reúnem em torno de uma felicidade única. O ouro que brilha, o incenso que perfuma o ambiente e a mirra com suas composições miraculosas.

O papai Noel chega derrubando tudo. Suas renas indisciplinadas dispersam as crianças, reiram a paz dos adultos. Os brinquedos tão espalhafatosos retiram a tranquilidade da noite que deveria ser silenciosa e feliz. O grande problema é que não sabemos que a felicidade mais fecunda é aquela que acontece no silêncio.

É por isso que neste Natal eu não quero muita coisa. Quero apenas o direito de recolher o pequenino menino na manjedoura... Quero acolhê-lo nos braços, cantar-lhe canções de ninar, afagar-lhe os cabelos, apertar-lhe as bochechas, trocar-lhe as fraldas para que não tenha assaduras e dizer nos seus ouvidos que ele é a razão que me faz acreditar que a noite poderá ser verdadeiramente feliz.

Neste Natal eu não quero muito. Quero apenas dividir com Maria os cuidados com o pequeno menino. Quero cuidar dele por ela. Enquanto eu cuido dele, ela pode descansar um pouquinho ao lado de José. Ando desfrutando nos últimos dias o desejo mais intenso de que a vida vença a morte.

Talvez seja por isso que ando desejando uma árvore invisível. O único jeito que temos de vencer a morte é descobrindo a vida nos pequenos espaços. Assim vamos fazendo a substituição. Onde existe o desespero da morte eu coloco o sorriso da vida.

Façam o mesmo!

Descubram a beleza que as dispersões deste tempo insistem em esconder. Fechem as suas chaminés. Visita que verdadeiramente vale à pena chega é pela porta da frente.

Na noite de Natal fujam dos tumultos e dos barulhos. Descubram a felicidade silenciosa. Ela é discreta, mas existe! Eu lhes garanto!


Não tenham a ilusão de que seu Natal será triste porque será pobre. Há mais beleza na pobreza verdadeira e assumida que na riqueza disfarçada e incoerente. O que alegra um coração humano é tão pouco que parece ser quase nada. Ousem dar o quase nada. Não dá trabalho, nem custa muito...

E não se surpreendam, se com isso, a sua noite de Natal tornar-se inesquecível.



Padre Fábio de Melo
01/12/2008
Link:http://padrefabiodemeloanjodeluz.blogspot.com/2008/12/mensagem-de-natal.html

Nenhum comentário:

Ludwig Wittgenstein

"Os limites da minha linguagem são os limites de meu mundo" (Ludwig Wittgenstein)



Artur da Távola

"Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim. Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo da sua janela. Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteio." (Artur da Távola)

Kahlil Gibran

"Ninguém pode conviver sozinho com a beleza que é capaz de perceber. E quanto a nós, que buscamos o Absoluto, e que construímos um jardim usando a nossa própria solidão, a vida nos deixou a imensa paixão para aproveitar cada instante, com toda a intensidade." (Kahlil Gibran)

Fernando Pessoa

"Para ser grande, sê inteiro:Nada teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és. No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda brilha,
Porque alta vive." (Fernando Pessoa)

Walter Grando

"O ideal é que sejamos menos seguidores de rastros... e mais formadores de caminhos." ( Walter Grando )

Letícia Thompson

“Cada dia quando fechamos a porta do último minuto e nos preparamos para o dia seguinte, é uma vitória alcançada!” (Letícia Thompson)

Cecília Meireles

"Aprendi com as Primaveras a me deixar cortar para poder voltar sempre inteira." (Cecília Meireles)

Caio F. Abreu

‎"Num deserto de almas também desertas, uma alma especial reconhece de imediato a outra." (Caio F. Abreu)

Martha Medeiros

‎"Onde, afinal, é o melhor lugar do mundo? Dentro de um abraço." (Martha Medeiros)

Ralph W. Emerson

"Você não consegue fazer uma bondade cedo demais, pois você nunca sabe quando será tarde demais" (Ralph W. Emerson)

Sócrates

"A alegria da alma constitui os belos dias da vida, seja qual for a época" (Sócrates)

Bob Marley

"Vamos dar espaço para o dia positivo, porque é um novo dia, um novo tempo e um novo sentimento." (Bob Marley)

Guimarães Rosa

"Quando eu morrer que me enterrem na beira do chapadão contente com minha terra cansado de tanta guerra crescido de coração." (Guimarães Rosa)

Faith Baldwin

"O tempo é um costureiro especializado em alterações" (Faith Baldwin)

Rose Kennedy

"A vida não é uma questão de marcos, mas de momentos..."(Rose Kennedy)